No estado de Goiás foram Alexandre Baldy (PTN), Célio Silveira (PSDB), Daniel Vilela (PMDB), Giuseppe Vecci (PSDB), Heuler Cruvinel (PSD), João Campos (PRB), Jovair Arantes (PTB), Lucas Vergilio (SD), Magda Mofatto (PR), Pedro Chaves (PMDB), Roberto Balestra (PP), Thiago Peixoto (PSD).

O IBOPE divulgou em 29 de setembro uma pesquisa com a avaliação do governo do presidente Temer.

Nela 77% dos entrevistados avaliaram a administração do peemedebista como ruim ou péssima. Outros 16% classificaram como regular, e apenas 3% consideraram o governo como ótimo ou bom.

Com relação a maneira de governar 89% dos entrevistados disseram que não aprovam a maneira como Temer tem conduzido o país.

O instituto porém, não questionou os entrevistados a respeito da permanência do presidente no poder. Pesquisou somente como a população avalia o governo.

A última pesquisa do DATAFOLHA em 2 de outubro, trouxe resultados semelhantes.

O instituto Apontou que 73% da população considera o governo como ruim ou péssimo.

Outros 20% o avaliam como regular e 5% classificou o governo como ótimo ou bom.

O deputado Alessandro Molon (REDE –RJ) disse que pelo seu entendimento e conforme dados de pesquisas o presidente não tem mais apoio para continuar frente à presidência.

MídiasSociais

 

Veja a programação 

 

 

    Matrículas Abertas 

 

 

 



Crise Política – Brasil – publicado em 2 de outubro de 2017

 

Temer se mantem isento das investigações, mas sem apoio de 77% da população brasileira.

Pela Constituição (artigo 86) são exigidos dois terços da Câmara para autorizar a abertura de processo de julgamento do presidente da República pelo STF por crime comum. 

A segunda denúncia contra o presidente Temer, apresentada pelo ex-procurador – geral da República, Rodrigo Janot, possui outras provas além das gravações de conversas com outros investigados. 

Para acusar Temer de obstrução de justiça, por exemplo, a denúncia apresenta imagens de Roberta Funaro, Irmã do operador Lúcio Funaro, recebendo um pagamento das mãos de Ricardo Saud, executivo da JBS, em operação controlada pela Polícia Federal no dia 20 de abril do corrente ano.

Segundo o operador, Temer teria dado aval aos pagamentos para que Funaro não fizesse acordo de delação com o Ministério Público Federal. Por meio de um mandado de busca e apreensão, também foi encontrado R$ 1,7 Milhão em mochilas e bolsas na casa de Roberta Funaro.

Ainda foram usados como indícios outros materiais apreendidos, como contratos assinados, depoimentos de outros réus arrolados na lava jato e imagens como a do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor de Temer, recebendo uma mala com R$ 500 mil em São Paulo. Procurado o deputado não retornou.

O Laudo do Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal concluiu que não houve edição nem adulteração na gravação. No documento, os peritos descreveram que o áudio é “consistente com a maneira em que se alega ter sido produzida” A polícia concluiu também que “Não foram observados elementos que indiquem a existência de adulterações”.

Mesmo com provas contundentes em desfavor do presidente e pesquisas que demonstram grande descontentamento dos brasileiros, cinco dos oito deputados federais do Distrito Federal e doze (12), deputados goianos votaram, pela rejeição da denúncia.

No DF Alberto Fraga (DEM), Laerte Bessa (PR), Rogério Rosso (PSD), Ronaldo Fonseca (PROS) e Izalci (PSDB)