A paciente agredida abriu um Termo circunstanciado de ocorrência e aguarda ação da polícia civil do DF para cobrar da secretaria de saúde abertura de uma sindicância para apurar os excessos do profissional.

 

Resta saber se o governador do Distrito Federal neste caso que não se trata do primeiro, tomará uma atitude enérgica para conter estes ânimos exaltados dos profissionais de saúde ou se será conivente com esta pratica de violência contra os cidadãos que da forma literal clamam por socorro.

 

Confira a entrevista concedida por Kelly ao programa "Momento do Povo" com o depoimento completo sobre a agressão sofrida.

 

  

 

 

Utilize aplicativos 
 
Winamp, iTunes   Windows Media Player   Real PlayerReal Player    QuickTime
 
 
 
  

MídiasSociais

 

 

Veja a programação 

 

 

 

    Matrículas Abertas 

 

 

.

Saúde Pública – DF – (publicado em 28 de março de 2017)

 

Paciente que aguardava atendimento por mais de 9 horas reclama e é agredida por médico em hospital da Asa Norte.

Uma consulta médica terminou em confusão no Hospital Regional da Asa Norte - HRAN, na capital do país. No último domingo, a paciente Kelly "Bolsonaro" (sobrenome fictício), de 30 anos, foi agredida dentro do hospital por um dos médicos de plantão após divulgar imagens em um vídeo de transmissão simultânea mostrando o descaso  dos médicos no interior do hospital.

O desentendimento partiu da cobrança da paciente que aguardava por mais de 9 horas e cobrou uma justificativa plausível pela longa espera, o médico se irritou pelo fato da cobrança estar sendo divulgada nas redes sociais e tentou tomar o celular da paciente na força.

A justificativa dos médicos é que a prioridade de atendimento é dada aos pacientes internados e que durante os intervalos destes atendimentos é que a equipe médica consultam as emergências.  

Na gravação é possível acompanhar o momento exato em que o médico de forma covarde e bastante hostil e tensa toma o celular que registrava as imagens da paciente.

Não é de hoje que a imprensa apresenta o caos em que a saúde pública do Distrito Federal se encontra, no entanto os pacientes além de enfrentar a longa fila de espera pelo atendimento, também perderam o sagrado, democrático e constitucional direito cidadão de reclamar.