Pra piorar, em vez de cortar gastos com supérfluos, como os R$ 110 milhões anuais gastos em publicidade ou os milhões gastos mensalmente com shows, mordomias e diárias de viagens internacionais.

O governador Marconi Perillo (PSDB) e o vice-governador José Eliton (PSDB) promoveram, em 2015, um aumento de alíquotas de ICMS, de IPVA e do Imposto Sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCD).

Desde 2016, o governador criou em Goiás o maior sistema de multas do Brasil. A meta é multar 90% dos motoristas que transitam nas GOs goianas.

As mudanças do IPVA também puniram os goianos. A de maior impacto se refere à isenção do tributo por tempo de uso, que passou de 10 para 15 anos.

Também houve aumento 2,5% para 3% no caso das motocicletas, ciclomotores, triciclos, quadriciclos, motonetas e automóveis de passeio com potência até 100 cavalos.

Desesperado por dinheiro para fechar a folha de pagamento dos servidores, ainda do mês de setembro, o governador montou arapucas por toda cidade de Goiânia em busca de arrecadar IPVA's atrasados.

Fazendo jus ao Goiás na Frente, quando o assunto é o bolso do contribuinte, os condutores com o imposto atrasado já receberam na hora, a impressão da conta. 

English version

Utilize aplicativos 
 
Winamp, iTunes   Windows Media Player   Real PlayerReal Player    QuickTime
 
 
 
  

MídiasSociais

 

 

Veja a programação 

 

 

 

    Matrículas Abertas 

 

 

.

Política – Goiás na Frente - Publicado em 13 de setembro de 2017

 

Governador dá calote no servidor e aumenta vertiginosamente as tarifas públicas.

Apesar de espalhar aos quatro cantos do Estado cheques do amplamente divulgado Programa “Goiás na Frente”, o governador Marconi Perillo (PSDB) mais uma vez tem dado calote nos servidores públicos. A folha salarial que já vinha sendo paga com atraso, agora tem previsão somente para esta quarta-feira, 13.

Vários prefeitos já estão amedrontados com o tucano, principalmente no que se refere ao parcelamento de obras em “10 parcelas”, apesar das mesmas serem de pequeno porte e não durar mais que 90 dias. A verdade é que o Estado está quebrado e apenas os gastos com publicidade estão mantidos até dezembro.

A ordem é enrolar fornecedores, deixar o máximo de restos a pagar para o ano seguinte e intensificar os calotes nas Organizações Sociais (OS's), até a eleição de 2018. Está em voga mais uma operação para esconder os esqueletos de 20 anos do tempo "novo".

Simbolicamente coroado pelos goianos como o "rei da mordomia" e o "rei dos impostos" no Estado de Goiás. O governador promoveu no estado a multiplicação de valores tarifários, as alíquotas de água e energia indiscutivelmente são as mais caras do Brasil. Já o combustível e a telefonia daqui têm também os maiores ICMS do país.