Falta tudo no Estado, menos dinheiro para o governador Marconi Perillo (PSDB) torrar em publicidade de obras que estão muito longe de ser entregues.

Na última segunda-feira (20), a coluna Giro, do jornal O Popular, revelou que o tucano aumentou em R$ 8,8 milhões a verba para o Fundo Especial de Comunicação, nome chique usado para disfarçar o saco sem fundo que é o montante gasto pelo governo para divulgar obras que, como já é de praxe não vão sair do papel.

O mais absurdo é de onde vai sair o dinheiro. Segundo a nota publicada na coluna, o recurso seria usado para promover excelência no atendimento ao cidadão que usa os serviços do Detran, além de dar apoio administrativo ao órgão.

Resumindo, Mais uma vez, Marconi vai usar o dinheiro que beneficiaria o cidadão para espalhar placas de publicidade de sua campanha antecipada, por todo o Estado.

Desta forma cabe ao MP do estado observar novamente os limites prudenciais e os motivos que justifiquem este investimento em publicidade.

MídiasSociais

 

Veja a programação 

 

 

    Matrículas Abertas 

 

 

 



Política – Goiás - 22 de novembro de 2017

 

Depois que a justiça suspendeu a farra das diárias, Marconi prepara novo modelo de torrar recursos públicos 

Atendendo a ação pública do senador Ronaldo Caiado (DEM), a 2ª Vara da Fazenda Pública de Goiás suspendeu nesta quinta-feira (9) o decreto do governador Marconi Perillo (PSDB) que ficou conhecido como “Farra das Diárias”. Editado em agosto com efeito retroativo até julho deste ano, o decreto aumentou em 25% suas diárias do tucano e de seu staff, justamente em durante o período de viagens do programa Goiás na Frente. 

De acordo com o juiz Ricardo Prata, que assinou a ação, ficou configurada a irresponsabilidade de Marconi em ultrapassar o limite prudencial de gastos, que corresponde a 95% da previsão orçamentária.

“É cabível, portanto, a concessão da tutela quanto ao pedido de suspensão do decreto e da majoração de vantagens que dele decorreu”, afirmou o magistrado.

 “A decisão mostra o uso arbitrário de uma portaria em benefício próprio, mesmo colocando a saúde fiscal de todo o estado em risco”, disse Caiado, que criticou ainda a situação financeira de Goiás.