Nos últimos cinco anos o governo do estado negligencia a situação da companhia de energia do estado de Goiás.

A recorrente falta de investimentos e o suposto interesse na privatização é o “calcanhar de Aquiles” do governo do estado com os servidores da Companhia e diante destes fatos a população é quem paga o preço amargo do fornecimento sem tê-lo com a qualidade desejada.

 

A interrupção do fornecimento aconteceu por volta das 22 horas e até as 00:00 horas do dia 02 de fevereiro   após duas horas  ainda não havíamos obtido informações do motivo que provocou a falha e sequer o restabelecimento da energia nas cidades supracitadas.

 

Cabe aos consumidores cobrar junto ao Ministério Público e a Agencia reguladora A ANEEL; os fatos que motivaram a queda de energia elétrica nos municípios atingidos pelo apagão; Solicitar as providências adotadas visando regularizar o fornecimento de energia elétrica em definitivo para evitar novos transtornos ; e cobrar no judiciário a reparação dos danos pelos prejuízos causados com a interrupção. 

Utilize aplicativos 
 
Winamp, iTunes   Windows Media Player   Real PlayerReal Player    QuickTime
 
 
 
  

MídiasSociais

 

 

Veja a programação 

 

 

 

    Matrículas Abertas 

 

 

.

Serviços Públicos - Energia Elétrica - CELG  -  01/02/2016

 

 

Apagão atinge cerca de 350 mil consumidores em Goiás

A velha e conhecida desculpa será a mesma , falta de investimentos e  falha na linha de transmissão de energia.  Graças ao governador que pretende privatizar a Companhia de todos os goianos, Já somos recordistas nesta modalidade . Trata-se de mais um, numa série de inúmeros apagões que ocorrem frequentemente  no estado de Goiás.

Na região Metropolitana a situação ainda é mais grave e nesta segunda feira dia primeiro de fevereiro mesmo com uma noite estrelada a população sul-metropolitana foi castigada, com um colapso no sistema que deixa parte na região noroeste do estado no escuro.

Pelo menos (4) quatro cidades metropolitanas foram afetadas com o apagão deixando aproximadamente 350 mil consumidores em Goiás nas trevas.

Como se não bastasse os municípios de Valparaíso de Goiás, Novo Gama, Cidade Ocidental e Luziânia além de  amargar no escuro a recorrente falta de investimentos da CELG, ainda sofrem com a falta de informações da própria companhia.  

O problema que provocou falta de luz ainda é desconhecido,  devemos considerar que é corriqueiro e comum  haver colapsos também nos telefones de emergência da companhia, principalmente quando há estas ocorrências. Isso nos remete a crer que há um grau de intencionalidade em manter o sistema de comunicação da empresa isolado de seus consumidores. ( porque ninguém atende aos chamados).