Um helicóptero da Polícia Militar e diversas viaturas estão no Colégio Goyases.

No Twitter, usuários registram a movimentação na rua da escola.

 

Caso Realengo

 

O caso se assemelha com outro ocorrido em 2011.

Na ocasião, um homem de 23 anos entrou em uma escola municipal de Realengo, Zona Oeste do Rio de Janeiro, atirou contra alunos em salas de aula lotadas, foi atingido por um policial e se suicidou.

O autor da chacina é o ex-aluno Wellington Menezes de Oliveira, 23. Na manhã do dia 7 de abril daquele ano, ele entrou na Escola Municipal Tasso da Silveira.

Em seguida, começou a disparar contra crianças, que, desesperadas, se escondiam debaixo de mesas, cadeiras, na tentativa de escapar do homem.

Nos quase 12 minutos em que usou para descarregar os dois revólveres, de calibres 32 e 38, comprados meses antes para o objetivo macabro, Wellington tirou a vida de 12 estudantes e deixou 17 feridos.

 

MídiasSociais

 

Veja a programação 

 

 

    Matrículas Abertas 

 

 

 



Violência – Goiás – publicado em 20 de outubro de 2017

Adolescente que sofria bullying efetua vários disparos dentro de colégio em Goiânia e mata dois.

 O Colégio Goyases foi alvo de um ataque a tiros, nesta sexta-feira (20/10), que deixou pelo menos duas crianças João Vitor Gomes e João Pedro Calembo, de 12 e 13 anos, mortas além de quatro pessoas feridas, segundo informações da Polícia Militar de Goiânia (PMGO).

A instituição privada de ensino infantil e fundamental fica no bairro Riviera, em Goiânia (GO). Cinco viaturas dos bombeiros foram direcionadas ao local.

Segundo a PM, o suspeito é um aluno do 8º ano do colégio. O aluno se encontrava em classe desde o início da manhã e efetuou múltiplos disparos contra os colegas por volta das 11h50, ao término de uma aula.

Situações semelhantes se repete pelo Brasil e preocupa autoridades, recentemente um vigia em MG atacou colégio ateando fogo e deixando 8 vítimas fatais entre alunos e professores.

O adolescente foi apreendido 20 minutos depois e já encaminhado para a delegacia. Há informações dos colegas de turma de que sofria bullying pelo mau cheiro. Ele usou uma pistola .40, de propriedade do pai, que é coronel da PM. Nenhum professor ou funcionário da escola foi ferido.

O socorro foi chamado por uma professora em torno das 12h. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) confirmou as duas mortes, mas ainda não identificou as vítimas. Entre os feridos, um está em estado grave e foi transportado de helicóptero para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo).

O Hospital informou que no momento três crianças recebem atendimento médico e mais vítimas devem chegar.