Segundo o Advogado José Zito da "CONJURAÇÃO, assim como fora feito com o gestor do município, houve comunicação prévia junto a casa de Leis que apontou estas irregularidades, no entanto contando com o mais  absoluto desrespeito ao cidadão do município, estas informações foram ignoradas pelos parlamentares da cidade,  havendo desta forma a necessidade de comunicação e envolvimento do MP/GO pelo necessário cumprimento da LEI.

Na ocasião também foi requerida a suspensão dos pagamentos e efeitos dos atos de nomeação dos ocupantes de cargos que caracterizaram o nepotismo.

Os cargos públicos nas gestões dos prefeitos  desta região estão a serviço dos partidos e das famílias conectadas as autoridades e aos partidos políticos, pobre eleitores que sempre são enganados em detrimento do serviço que teoricamente deveriam ser prestados a sociedade. 

Fonte MP/GO

Ouça no link abaixo os comentários do Jornalista Hélio Porto no Programa Momento do Povo na Rádio Supra FM:

Alceu do Alternativo responde por improbidade também por práticas nepotistas.

Veja também: Prefeito e vereadores desrespeitam as lei e visam beneficio proprio em detrimento de cargos públicos.

Winamp, iTunes   Windows Media Player   Real PlayerReal Player    QuickTime

Mídia Social

 

 

Politica–Improbidade Administrativa publicado 05 de julho de 2017

 

Ação contra presidente da Câmara e servidores quer anular nomeações ilegais no Legislativo de Valparaíso

A promotora de Justiça Oriane Graciane de Souza está acionando o presidente da Câmara de Valparaíso de Goiás, Alceu Nascimento Gomes Soares, e os servidores da Casa Cláudio Nascimento da Silva, Joana D'Arc Lúcia da Costa Nascimento, Jorge Ferreira de Sá Filho e Neuza Alves de Souza visando à anulação de atos de nomeação de parentes de agentes políticos no Legislativo, bem como à responsabilização pela prática de atos de improbidade administrativa, decorrentes da constatação de nepotismo.

No final do mês passado, a promotora começou a investigar a prática de nepotismo, em desacordo com a legislação e com recomendação expedida pelo MP à Presidência da Câmara sobre o tema.

Foi apurado, portanto, que o atual presidente da Casa fez algumas contratações irregulares de comissionados, como é o caso de Joana D'Arc e Cláudio Nascimento, nomeados chefes de Gestão de Pessoal, e de Licitação e Contratos, respectivamente, sendo eles marido e mulher. Foram nomeados também Neuza Alves para o cargo de assessora de imprensa e seu companheiro Jorge Ferreira para chefia de Gabinete do Legislativo. De acordo com a promotora, a nomeação de dois casais para ocupar cargos comissionados na mesma pessoa jurídica de direito público é nepotismo.

O Ministério Público requereu liminarmente a suspensão imediata dos efeitos dos atos administrativos de nomeação em cargos comissionados de Joana D'Arc, Cláudio Nascimento, Neuza Alves e Jorge Ferreira; o afastamento de todos os acionados de seus cargos, até o trânsito em julgado da ação e, por fim, a suspensão imediata do pagamento de salários e vantagens referentes aos cargos comissionados.

No mérito, foi requerida a nulidade dos atos de nomeação e a condenação de todos, de acordo com a Lei de Improbidade Administrativa, em penas que incluem a suspensão de direitos políticos, aplicação de multa civil, perda de função pública, entre outros.